Revista Nova Imagem - Portal de Notícias

Nos acompanhe pelas redes sociais

Azul avalia compra da Gol em meio à turbulência do mercado aéreo

Foto: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A Azul Linhas Aéreas estuda a possibilidade de apresentar uma oferta para comprar a concorrente Gol, que se encontra em recuperação judicial. A fusão das duas empresas, que juntas detém quase dois terços do mercado brasileiro de aviação, geraria um gigante com enorme poder de mercado, mas também traria consigo uma série de desafios.

O cenário do “triopólio”:

  • Latam: 38,7% dos passageiros domésticos
  • Gol: 33,3%
  • Azul: 27,5%

Juntas, Azul e Gol teriam mais de 60% do mercado.

Desafios da fusão:

  • Concentração de mercado: A fusão poderia reduzir a concorrência e levar a preços mais altos para os consumidores.
  • Distribuição de slots: A Gol tem uma presença maior em aeroportos estratégicos como Congonhas e Guarulhos, o que poderia gerar problemas de acesso para outras companhias.
  • Aprovação do Cade: O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) precisaria avaliar a operação e determinar se ela não prejudica a livre concorrência.

Histórico de aquisições da Azul:

  • 2012: Compra da Trip (única aquisição de empresa fora de recuperação judicial)
  • 2021: Tentativa de compra da Latam (sem sucesso)
  • 2020: Tentativa de compra da Avianca (sem sucesso)

Vantagens da fusão:

  • Complementariedade de rotas: A Azul é mais forte em aeroportos como Confins, Recife, Porto Alegre e Manaus, enquanto a Gol tem maior presença em Brasília e Galeão.
  • Economias de escala: A fusão poderia gerar economias de escala em áreas como compras, manutenção e marketing.

Processo complexo:

  • Convencer acionistas, credores e o Cade sobre os benefícios da fusão.
  • Negociação de preço e estrutura da nova empresa.
  • Aprovação regulatória.

O futuro da aviação brasileira:

A possível fusão entre Azul e Gol é um marco importante para o mercado de aviação brasileiro. O futuro do setor dependerá da capacidade das empresas de lidar com os desafios da fusão e de se adaptarem às mudanças na demanda por viagens aéreas.

Fontes:

  • Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)
  • Azul Linhas Aéreas
  • Gol Linhas Aéreas
  • Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade)

Foto: Reprodução

Últimas Notícias
Últimas Notícias