Revista Nova Imagem - Portal de Notícias

Nos acompanhe pelas redes sociais

Criação de polvos na Espanha levanta debate sobre exploração animal

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A empresa espanhola Nueva Pescanova está prestes a alcançar um marco global ao abrir a primeira “fazenda” comercial de polvos. Roberto Romero, diretor de aquicultura da empresa, investiu 65 milhões de euros (74 milhões de dólares) nessa inovação. No entanto, a operação ainda precisa da aprovação ambiental das autoridades locais e já está gerando um debate intenso: cientistas alertam sobre possíveis impactos éticos e ambientais.

Com base em décadas de pesquisa acadêmica, a Nueva Pescanova superou concorrentes no México e no Japão, aperfeiçoando as condições para a criação do animal em escala industrial. A projeção é produzir 3 mil toneladas de polvos por ano até 2026, gerando centenas de empregos na ilha de Gran Canaria, nas Ilhas Canárias, na Espanha.

Dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura revelam que o valor comercial do polvo aumentou de 1,3 milhão para 2,72 milhões de dólares entre 2010 e 2019, justificando os esforços da empresa. No entanto, tentativas anteriores de “cultivo” de polvo resultaram em alta taxa de mortalidade, enquanto experiências com polvos selvagens enfrentaram problemas como agressão, canibalismo e automutilação.

A Nueva Pescanova garante que, com o cenário atual, foram otimizadas as condições dos tanques, eliminando a agressão e permitindo a criação de cinco gerações em cativeiro. “Não encontramos comportamento canibal em nenhuma das nossas culturas”, afirmou um porta-voz à CNN. Porém, nem todos estão convencidos, especialmente após o premiado documentário “Professor Polvo”, vencedor do Oscar em 2020, que trouxe preocupações com o bem-estar da espécie.

Com base em uma análise de 300 estudos científicos, pesquisadores da London School of Economics concluíram que os polvos são capazes de experimentar angústia e felicidade, o que impossibilitaria a criação em condições de alto bem-estar. “Os polvos são extremamente inteligentes e curiosos. É bem sabido que eles não são felizes em condições de cativeiro”, concordou Raul Garcia, representante da WWF na Espanha, uma ONG internacional que trabalha na conservação e recuperação ambiental.

A Nueva Pescanova ainda não divulgou detalhes específicos sobre o tamanho dos tanques, densidade ou alimentação, citando sigilo comercial. No entanto, representantes garantem que os animais serão constantemente monitorados e seu bem-estar será priorizado. O método proposto é uma alternativa às pesca natural, que está sob pressão, com países como Itália, Coreia, Japão e Espanha sendo os maiores importadores do produto.

“Se quisermos continuar consumindo polvo, precisamos buscar uma alternativa, pois a pesca já atingiu seu limite. Por enquanto, a aquicultura é a única opção disponível”, afirmou Eduardo Almansa, do Instituto de Oceanografia da Espanha, responsável pelo desenvolvimento da tecnologia utilizada pela empresa, que reconhece a preocupação com a sustentabilidade.

No entanto, ativistas acreditam que a solução é muito mais simples: não consumir polvo. “Existem tantas alternativas veganas maravilhosas por aí”, disse Carys Bennett, do PETA. Os pescadores também estão desconfiados, mas por outros motivos. Eles temem que o empreendimento possa diminuir os preços e prejudicar a reputação da qualidade de seus produtos. “As grandes empresas só se preocupam com seus resultados… elas não se importam com pequenos negócios como o nosso”, disse o pescador Pedro Luis Cervino Fernandez à agência Reuters, receoso de não conseguir competir com a agricultura industrial.

Fotos: Tom Applegate/ BBC News Brasil/Getty Images

Últimas Notícias
Últimas Notícias