Revista Nova Imagem - Portal de Notícias

Nos acompanhe pelas redes sociais

Desvendando o Alzheimer: Estudo revela mecanismo do RNA que pode causar morte de neurônios

Imagem: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Pesquisadores da Northwestern University apontam descobertas inovadoras sobre a degeneração de células cerebrais na Doença de Alzheimer. Entenda os detalhes do estudo e suas implicações para futuros tratamentos.

O Mal de Alzheimer, uma das formas mais prevalentes de demência, continua a desafiar a comunidade científica quanto à sua origem. A perda de neurônios surge como um fator crucial no desenvolvimento da doença, e um novo estudo publicado na Nature Communications revela uma potencial causa para essa degeneração neuronal, relacionada ao papel do RNA (ácido ribonucleico).

Pesquisadores da Northwestern University exploraram cérebros de camundongos com Alzheimer, neurônios derivados de células-tronco de pacientes com e sem a doença, além de adultos com mais de 80 anos. A análise revelou um intrigante mecanismo no RNA, sugerindo seu envolvimento na morte de células cerebrais, incluindo neurônios.

Marcus Peter, professor da Escola de Medicina Feinberg da Northwestern University, destaca a presença de diferentes classes de RNA em cada indivíduo, notavelmente o RNA mensageiro (RNAm) longo e o RNA curto. Este último, responsável por suprimir a atividade do RNAm, pode conter um “código da morte” embutido, composto por apenas seis nucleotídeos, capaz de induzir a morte celular.

A pesquisa sugere que, com o envelhecimento, a proporção de RNA “protetores” diminui, enquanto os RNA “tóxicos” aumentam. Essa mudança pode aumentar o risco de morte celular, contribuindo para o desenvolvimento do Alzheimer.

Os cientistas apontam para a importância dessas descobertas no avanço de futuras pesquisas e no desenvolvimento de medicamentos destinados ao tratamento não apenas do Alzheimer, mas também de outras doenças degenerativas. As próximas etapas incluem mais testes em animais e neurônios humanos, bem como a avaliação de medicamentos para modular os níveis de RNA protetores e reduzir a atividade dos RNA “tóxicos”.

Foto: haydenbird/GettyImages

Últimas Notícias
Últimas Notícias