Revista Nova Imagem - Portal de Notícias

Nos acompanhe pelas redes sociais

Julho é o mês mais quente já registrado e o mundo vive um ‘momento crítico’

Foto: Halil Kahraman/ dia images via Getty Images
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O mundo registrou em julho o mês mais quente desde que as medições começaram a ser realizadas. De acordo com o Serviço de Mudanças Climáticas da UE Copernicus, a média global para os dias de julho bateu a marca de 1,5°C acima da era pré-industrial.

Para os cientistas, julho foi uma espécie de apresentação do que será, em breve, a realidade para o mundo e de forma permanente.

O que dizem os dados

  • O mês foi 0,72°C mais quente do que a média de julho de 1991-2020 e 0,33°C mais quente do que o mês mais quente anterior, julho de 2019.
  • Ondas de calor foram registradas em várias regiões do Hemisfério Norte, incluindo o sul da Europa.
  • Temperaturas bem acima da média ocorreram em vários países da América do Sul e em grande parte da Antártica.
  • A extensão do gelo marinho da Antártica continuou a quebrar recordes para a época do ano, com um valor mensal 15% abaixo da média, de longe a menor extensão de julho desde o início das observações por satélite.
  • As regiões extra tropicais mais secas do que a média incluíram o México e o sudoeste dos Estados Unidos, o centro e o sudeste da Ásia, o sudoeste da Austrália e partes do sul do Brasil e do Paraguai.
  • A temperatura do oceano foi 0,51°C acima da média entre 1991 e 2020.

Consequências da mudança climática

Esses registros têm consequências terríveis tanto para as pessoas quanto para o planeta, exposto a eventos extremos cada vez mais frequentes e intensos.

  • As ondas de calor causam mortes, doenças e perdas de safras.
  • As enchentes e deslizamentos de terra destroem casas, infraestrutura e meios de subsistência.
  • As secas causam fome e escassez de água.
  • Os incêndios florestais destroem florestas e ecossistemas.

O que precisa ser feito

Para reduzir os impactos da mudança climática, é preciso agir agora. Os governos precisam reduzir as emissões de gases de efeito estufa, investir em energia renovável e proteger os ecossistemas. As pessoas também podem fazer a sua parte, reduzindo o consumo de energia, reciclando e mudando seus hábitos de consumo.

O momento é crítico

O mundo vive um momento crítico. A mudança climática é uma ameaça real e urgente. Precisamos agir agora para proteger o planeta e o futuro da humanidade.

Imagem: Reprodução

Últimas Notícias
Últimas Notícias