Revista Nova Imagem - Portal de Notícias

Nos acompanhe pelas redes sociais

Por que chove tanto no Rio Grande do Sul? Especialistas explicam as causas das enchentes

Foto: Reprodução/X @damadanoite14
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Meteorologistas apontam fenômenos climáticos e sistemas atmosféricos como responsáveis pela tragédia no estado

O Rio Grande do Sul enfrenta um dos maiores desastres climáticos de sua história, com chuvas torrenciais que já perduram por dias, resultando em mortes, cidades submersas e ameaças de rompimento de barragens. Mas por que o estado está enfrentando essa situação tão grave?

Em entrevista à TV Brasil, o meteorologista e coordenador-geral de Operação e Modelagem do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), Marcelo Seluchi, aponta uma combinação de fatores para explicar as intensas chuvas no estado. Uma onda de calor na região central do Brasil, aliada à alta pressão atmosférica, está bloqueando a passagem das frentes frias que normalmente se deslocam para o norte do país.

“Essas frentes frias, que vêm da Argentina, chegam rapidamente na Região Sul e acabam ficando estacionárias, mantendo as chuvas por vários dias”, explicou Seluchi.

Além disso, o meteorologista não descarta a influência do El Niño, que está em fase final, e das mudanças climáticas, que aquecem a atmosfera e os oceanos, gerando mais vapor para formação de chuvas.

Quanto tempo ainda vai chover? Seluchi prevê que os temporais continuarão por dias devido a um fenômeno no Oceano Pacífico chamado sistema de bloqueio, que afeta o Brasil, mantendo uma situação atmosférica estagnada e persistente. Segundo ele, as chuvas devem diminuir de intensidade a partir de domingo.

Enquanto as chuvas persistem, o processo de absorção da água será demorado, alerta Seluchi, acrescentando que a situação pode levar vários dias para se normalizar. O nível do Lago Guaíba, que banha Porto Alegre, pode subir até cinco metros até sexta-feira (5) devido às chuvas.

Para Seluchi, embora volumes de chuva semelhantes já tenham sido registrados em outras partes do Brasil, a abrangência territorial das chuvas no Rio Grande do Sul é inédita, tornando esta situação uma das maiores tragédias naturais do país.

Foto: Reuters/Diego Vara

Últimas Notícias
Últimas Notícias