Revista Nova Imagem - Portal de Notícias

Nos acompanhe pelas redes sociais

Quem é Magda Chambriard, nova presidente da Petrobras após demissão de Jean Paul Prates

Foto: ANP/Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Ex-diretora da ANP assume liderança da estatal em meio a crise política e econômica

Nesta terça-feira, uma decisão surpreendente abalou o cenário da Petrobras, uma das maiores empresas do Brasil. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva demitiu Jean Paul Prates de seu cargo de chefia na estatal, anunciando Magda Chambriard como sua substituta.

Magda Chambriard não é uma estranha no mundo do petróleo e energia. Com uma carreira sólida e vasta experiência, ela ocupou o cargo de diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP) de 2012 a 2016, além de ter trabalhado por 22 anos na Petrobras, onde começou sua trajetória em 1980. Sua formação em Engenharia Química pela COPPE/UFRJ e seu papel como consultora na área de energia e petróleo a tornam uma escolha natural para liderar a estatal em tempos desafiadores.

Antes de sua nomeação como presidente da Petrobras, Chambriard ocupou o cargo de diretora da Assessoria Fiscal da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro desde abril de 2021. Além disso, é sócia da empresa Chambriard Engenharia e Energia desde janeiro de 2018, demonstrando sua atuação e conhecimento no setor.

Sua nomeação não foi a única especulada para o cargo. Nomes como Aloizio Mercadante, atual presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Clarice Coppetti, diretora de Assuntos Corporativos da Petrobras, foram mencionados como possíveis candidatos. Bruno Moretti, secretário de Análise Governamental (SAG) da Casa Civil, também foi cogitado devido à sua ligação com o ministro Rui Costa.

A demissão de Prates ocorreu em meio a uma crise desencadeada pela decisão do Conselho de Administração da Petrobras de não distribuir dividendos extras no valor de R$ 43,9 bilhões, uma medida que impactou diretamente o mercado acionário. Prates defendia a destinação de metade desses recursos aos acionistas, e a divergência de opiniões culminou em sua saída da presidência da estatal.

Últimas Notícias
Últimas Notícias