Revista Nova Imagem - Portal de Notícias

Nos acompanhe pelas redes sociais

Sinais precoces de câncer de mama são detectados com Tecnologia de inteligência artificial

Imagem: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Pesquisadores brasileiros criam algoritmos de inteligência artificial (IA) capazes de analisar exames de sangue de rotina e contribuir para a detecção precoce do câncer de mama. A responsável pelo desenvolvimento dessa ferramenta é a doutoranda Daniella Castro Araújo, do Programa de Pós-graduação em Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Essa tecnologia é uma aplicação de grupos de pesquisa da universidade que utilizam analitos, componentes presentes nas Amostras de sangue, para auxiliar no diagnóstico de diversas doenças, como Alzheimer e Covid-19. Segundo a pesquisadora, a ferramenta tem potencial para transformar a abordagem de risco de câncer, passando de uma perspectiva populacional para uma personalizada.

De acordo com Araújo, a inteligência artificial foi empregada na interpretação de exames de sangue de rotina. Devido à complexidade das complicações entre os marcadores sanguíneos, é inviável realizar uma análise linear simples para doenças complexas, como o câncer de mama. Portanto, utilize-se a IA para reconhecer padrões em grupos de pacientes com e sem câncer.

A pesquisadora destaca que aproximadamente 80% das mulheres brasileiras não têm acesso à mamografia, um exame essencial para o diagnóstico precoce do câncer de mama, que possui uma taxa de cura de 99%. Com a solução desenvolvida, a intenção é priorizar as mulheres mais expostas aos riscos, otimizando a fila para a realização da mamografia.

Os examinaram bancos de dados de instituições como o Hospital de Amor, em Barretos (SP), e o Grupo Fleury, uma rede de laboratórios com atuação em São Paulo, que reúnem resultados de exames, incluindo mamografias, exames de sangue e biópsias utilizadas para diagnóstico de câncer de mama.

Os pacientes foram divididos em dois grupos: um com diagnóstico de câncer e outro sem. Em seguida, o pesquisador avaliaram exames de sangue realizados até seis meses antes do diagnóstico final.

Segundo Daniella, o modelo construído com base nesses dados apresenta uma taxa de acerto de cerca de 70%, que aumenta para quase 90% quando são considerados outros dados, como históricos clínicos e laudos de outros exames. Ela ressalta que as soluções propostas não implicam em custos adicionais para o Sistema Único de Saúde (SUS) ou para operadoras e planos de saúde, pois se baseiam na melhor utilização dos exames já realizados repetidamente.

A inovação foi patenteada pela Huna, uma empresa que desenvolve soluções de saúde utilizando tecnologia de ponta. A ferramenta será testada por algumas operadoras de saúde, conforme afirma a pesquisadora.

O próximo passo consiste em testar a ferramenta em instituições de saúde parceiras, tanto públicas quanto privadas, para que seja validada no ambiente real. Atualmente, o Hospital de Amor é um grande parceiro nesse sentido, mas a intenção é expandir e ampliar o acesso dessa nova tecnologia aos usuários do SUS, declara Araújo.

Imagem: Yuichiro Chino/Getty Images

Últimas Notícias
Últimas Notícias